Início > Eclesiologia, História da Igreja > Perscrutando Sinais

Perscrutando Sinais

Alguns meses após o anúncio do Papa João XXIII, o Cardeal da Silva, Dom Eugênio Sales e Dom Avelar, entre outros, receberam uma carta do Cardeal Domenico Tardini solicitando assuntos que pudessem ser discutidos no Concílio. “Peço, portanto, vivamente, a Vossa Excelência que queira fazer chegar a esta Comissão Pontifícia (…) pareceres, conselhos e vota, que a solicitude pastoral e o zelo das almas, possam sugerir à Vossa Excelência em ordem às matérias e aos temas que poderão ser discutidos no próximo Concílio”, requisitou a carta.

O Papa João XXIII criou uma Comissão Antepreparatória, capitaneada pelo Secretário de Estado Tardini, para que fossem levantados os assuntos que deveriam compor a pauta conciliar. Dos 167 bispos brasileiros consultados, 132 enviaram resposta. Estes pareceres foram apresentados individualmente ou como voto de toda província eclesiástica, alguns elaborados, inclusive, com a assessoria de teólogos e canonistas. Muitos bispos aproveitaram a oportunidade para manifestar insatisfações da prática pastoral, mostrando o quanto o prescrito, do ponto de vista canônico, distanciava-se da vida dos fiéis.

No que diz respeito aos bispos do Nordeste, as indicações para o Concílio envolviam a responsabilidade eclesial na promoção dos povos subdesenvolvidos, questões doutrinais e o diálogo ecumênico e inter-religioso.  Dentre as sugestões, Dom Avelar, de quem celebramos o centenário, evidenciou o problema da evangelização em confronto com as religiões não-cristãs e com os cristãos não-católicos. Único do Nordeste a aproximar-se desta questão, o, então, arcebispo de Teresina não o fez em defesa da fé católica como os outros cinco brasileiros que tocaram no tema, mas de forma dialogal. Observe-se que, o prisma desta consideração de Dom Avelar será refratado na aproximação respeitosa que revelou a declaração Nostra Aetate e o decreto Unitatis Redintegratio, futuros documentos conciliares.

A Fase Antepreparatória legou, às etapas posteriores, 8.972 proposições que deveriam ser sintetizadas em tempo breve. É inegável que o material levantado constitui um verdadeiro retrato das inquietações da Igreja presente no mundo às vésperas do Concílio. Revisitar estas consultas, à luz dos temas que questionam atualmente a nossa inteligência e criatividade, pode nos apresentar caminhos que ainda não puderam ser percorridos pastoralmente.

 Série 50 anos do Concílio Vaticano II. Texto publicado no Jornal São Salvador: Junho de 2012.

 

 

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s